Dicas – Tradição dos Padrinhos e Demoiselles

Origem dos padrinhos ♥ ♥

A origem da figura dos padrinhos varia de acordo com a cultura e a localização de uma sociedade, mas nós, brasileiros, não podemos dizer que eleger uma testemunha para o casamento se trata de uma tradição milenar, pois tudo começou no Concílio de Trento, realizado entre 1545 e 1563. Nesta ocasião, o clero se reuniu para emitir inúmeros decretos dogmáticos sobre a fé e a disciplina da Igreja Católica e, entre outras coisas, criaram o sacramento do matrimônio.

Antes disso, duas pessoas poderiam se considerar casadas se fizessem os seus votos entre quatro paredes, sem que mais ninguém presenciasse o momento. Fácil, não? Mas o Concílio de Trento determinou que um casamento só se tornaria oficial se fosse celebrado por um pároco e contasse com a presença duas testemunhas.

“A palavra madrinha significa:  pessoa que protege e abençoa a união.”

Demoiselles ♥ ♥

Nos Estados Unidos e em alguns países da Europa, além da noiva, existe uma outra figura feminina que ganha destaque por sua importância e tradição nas cerimônias de casamento, a demoiselle.

O nome vem do francês e significa “moça”, “donzela” ou “libélula” e serve para designar a dama de honra adulta ou adolescente que acompanha a noiva até o altar auxiliando-a em tudo o que for preciso para garantir que ela esteja sempre impecável. Pode ser uma única dama ou mais, a noiva é quem decide. Outro termo bastante utilizado é bridesmaids, que se refere às madrinhas do casamento.

Essa tradição surgiu na antiguidade a partir de uma lenda segundo a qual a presença de outras mulheres vestidas de forma parecida com a da noiva e acompanhando-a até o altar servia para confundir os espíritos ruins sobre quem de fato seria a noiva, afastando assim toda inveja ou mau olhado que pudesse se abater sobre ela no dia de seu casamento.

O estilo do casamento define a ordem da entrada das demoiselles na igreja. Em alguns casos, elas entram antes da noiva junto com o restante do cortejo, mas também existem cerimônias em que a dama de honra entra logo atrás da noiva segurando o seu véu, como ocorreu no mais comentado casamento do século, o da princesa Kate Middleton, em que a sua irmã Pipa foi a responsável por entrar com ela na igreja, segurar e ajeitar o véu.

O charme das demoiselles fica por conta do figurino. Em conjunto com a noiva elas devem definir os modelos, cumprimentos e as cores dos vestidos. Existem casos em que as cores dos trajes das damas adultas são diferentes, mas sempre em tons bem próximos uns dos outros. Entretanto, na maior parte dos casos os vestidos são da mesma cor, diferenciando-se sutilmente no modelo, apenas por detalhes como alças, laços, cortes e comprimentos para atender aos variados gostos, mas isso também fica a critério da noiva.

Os tons pastel como o pêssego e o rosa são os mais utilizados, até pelo fato de um dos significados ser libélula.

O efeito do tom das demoiselles, seja ele qual for, em contraste com o branco da noiva, garante um efeito super bonito nas fotos do álbum e o branco sempre se destaca.

O buquê das demoiselles também não pode ser esquecido. Ele até pode ser parecido com o da noiva, mas sempre deve ser menor.

Quanto à maquiagem e aos penteados das demoiselles, a ideia é que sejam simples e nada exagerados, pois em hipótese alguma elas podem chamar mais atenção que a noiva.

A escolha de uma ou mais demoiselles é uma prova de carinho, amizade e sobretudo de confiança. Além de ajudar a noiva com todos os preparativos antes da cerimônia como a organização do chá de panela, da despedida de solteira, da escolha e provas do vestido, cabelo e maquiagem, elas têm a responsabilidade de transmitir calma e tranquilidade para a noiva nos momentos que antecedem a cerimônia, por isso, quanto mais íntimas forem as escolhidas, mais fácil será entender o real sentido dessa figura que vai muito além de deixar a cerimônia mais bonita.